Foto
22 mar

Superfície de contato entre solo e raiz contribui para determinar eficiência nos ambientes agrícolas

Tema será discutido em palestra da Tecnoshow Comigo no dia 11 de abril

A interação raiz-solo para ser eficiente depende diretamente das características radiculares e da distribuição das raízes no solo. Isso tudo faz parte da arquitetura radicular e é fator decisivo para o sucesso da atividade em ambientes agrícolas, segundo o engenheiro agrônomo e professor da Universidade de Rio Verde (UniRV), Carlos César Evangelista de Menezes. Ele é um dos palestrantes confirmados na 18ª edição da Tecnoshow Comigo, em Rio Verde (GO). Carlos ministrará a palestra ‘Arquitetura radicular eficiente: base para uma agricultura de sucesso?’, no dia 11 de abril, às 9h30, no auditório 1 do Centro Tecnológico Comigo (CTC). 

De acordo com ele, é importante explicar que arquitetura radicular se refere à geometria do sistema radicular, ou seja, ao arranjo das raízes na interface solo-planta e da classe das raízes presentes. “Quanto maior for a superfície de contato entre solo e raiz melhor o sistema radicular desempenhará suas funções. É sabido que os solos, de maneira geral, apresentam disponibilidade limitada dos recursos necessários para o crescimento e desenvolvimento das plantas. Essa limitação de fatores abióticos impõe uma condição estressante às culturas. Como exemplo, a disponibilidade de água e de nutrientes, principalmente do fósforo, normalmente limita sensivelmente a produção vegetal. Portanto, a distribuição do sistema radicular nos sítios do solo onde esses recursos estão menos limitados permite otimizar o uso dos referidos recursos”, destaca. 

Para orientar os participantes da feira sobre o tema, Carlos César pretende abordar assuntos como manejo de culturas que impõem restrições ao crescimento de raízes, ações que podem minimizar as restrições impostas, assim como resultados de pesquisas que apontam estratégias de manejo que favorecem a otimização no uso dos recursos naturais. “A prática da agricultura no Brasil, e especialmente nas áreas dos cerrados, proporcionou uma série de benefícios aos solos cultivados. Áreas que anteriormente eram impróprias para o cultivo, tornaram-se áreas com alto potencial produtivo. No entanto, algumas práticas de manejo adotadas mais recentemente estão limitando a expressão desse potencial produtivo. Por essa razão, temas dessa natureza devem ser apresentados aos produtores e discutido com eles”, informa.
 
Estrutura radicular eficiente
O professor da UniRV revela que vários aspectos devem ser avaliados quando se trata de um sistema radicular eficiente. “É importante ressaltar que a arquitetura radicular é determinada geneticamente.  Assim, alguns materiais são naturalmente melhor adaptados a determinadas condições ambientais. Existem variedades que expressam genes que conferem maior adaptação ao ambiente estressante e, assim, essas variedades são superiores naquele ambiente em questão. Além do aspecto genético, existem sinais perceptíveis pela planta que podem orientar o crescimento das suas raízes em direção ao recurso limitado”, cita. Carlos César acrescenta ainda que existe a interação das características genéticas com as do ambiente radicular. “Portanto, algumas estratégias de manejo podem minimizar o estresse imposto simplesmente por favorecer o crescimento das raízes para os sítios apropriados. É possível promover um ambiente radicular favorável para que as raízes sejam estabelecidas de forma a otimizar a absorção dos recursos naturais”, diz.
 
Cuidados
O palestrante orienta que o estabelecimento de um sistema radicular eficiente é característica complexa e desafiadora, dependendo de uma série de fatores que não são estáticos, ou seja, interagem entre si e sofrem interferências externas. “Para tanto, o planejamento do agricultor deve ser baseado em aspectos técnicos de mais longo prazo. As ações devem ser planejadas no presente com expectativa de resultados que serão obtidos, muitas vezes, a médio e longo prazo. É comum na atividade agrícola que as ações sejam imediatistas e embasadas principalmente em aspectos operacionais. Esse modelo já tem causado insucesso em várias propriedades e tem limitado o sucesso em outras. É fundamental lembrar que as raízes são responsáveis pela absorção de água e dos nutrientes. Portanto, quanto mais favorável o ambiente radicular mais íntimo será o contato entre raízes e os recursos e, consequentemente, menor será o estresse imposto”, afirma. 

Carlos César Evangelista de Menezes
 
É engenheiro agrônomo formado na Universidade Federal de Lavras (UFLA), com mestrado e doutorado em Produção Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Tem pós-doutorado em Produção Vegetal pela Pennsylvania State University (PSU). 

Sobre a TECNOSHOW COMIGO
Há 18 anos nasceu o conceito da feira de tecnologia rural, que logo passou a ser um referencial em todo o Centro-Oeste. A cada edição, a feira, hoje denominada Tecnoshow Comigo, não só apresenta experiências tecnológicas realizadas por diversas instituições de pesquisa, de ensino e outras empresas que auxiliam o produtor rural, mas reúne expositores de grandes segmentos do setor agropecuário, em uma área montada em 60 hectares com completa infraestrutura. Mais informações em www.tecnoshowcomigo.com.br.

FICHA TÉCNICA
18ª TECNOSHOW COMIGO
Data: 08 a 12 de abril de 2019 (segunda a sexta-feira)
Local: Centro Tecnológico COMIGO (CTC) - Rio Verde – GO (Anel Viário Paulo Campos, Km 7, Zona Rural)
Horário: 8 às 18 horas
Serviço: Geração e Difusão de Tecnologias Agropecuárias, Exposição de Máquinas e Equipamentos, Palestras, Exposição de Animais e Dinâmicas de Pecuária. 
Site: www.tecnoshowcomigo.com.br | Twitter e Instagram: @tecnoshowcomigo

INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA
Assessoria de Comunicação da COMIGO
Wêuller Freitas – (64) 3611-1522 / 99627-9897
Bruno Kamogawa – (64) 3611-1690 / 99282-2213
Samir Machado – (64) 3611-1647 / 99941-2288

Voltz Comunicação – Assessoria de imprensa da TECNOSHOW COMIGO
jornalismo@voltzcomunicacao.com.br
Renan Rigo – (62) 98522-6645 – renan@voltzcomunicacao.com.br



Compartilhe:

Google +